segunda-feira, 29 de março de 2021

Álbum JOICE TERRA e ELOUISE MIRANDA CANTAM POESIA IN_VERTEBRAL

Clique na imagem para ouvir no Spotify





Disponível também em (clique no nome):

YouTube Music (as 12 músicas)

Deezer  (livre para usuários Tim)

OneRPM

 

 

e diversas outras plataformas de musica. 


Poemas de Sidnei Olivio e Paulo Robson de Souza (do eBook Poesia INvertebral). 

Direção musical: Mestre Galvão


#musicabrasileira #musicaautoral #musicaboa #joiceterra #elouisemiranda #sidneiolivio #infantil #ensinodebiologia #ensinodeciências #inbioufms #ufms #invertebrados #invertebrates #animais #animaisfofos #pequenosanimais #brazilianmusic #MPB #bossa # baião #xotenordestino #sambadobom

Videoclipe O TATUZINHO - Intérprete: Elouise Miranda

 (Clique na imagem para assistir)



Do álbum 

Joice Terra e Elouise Miranda Cantam Poesia In_vertebral 

Poemas de Sidnei Olivio e Paulo Robson de Souza (do eBook Poesia INvertebral). 

Direção musical: Mestre Galvão 


(Clique na imagem para ouvir no Spotify)





#musicabrasileira #musicaautoral #musicaboa #joiceterra #elouisemiranda #sidneiolivio #infantil #ensinodebiologia #ensinodeciências #inbioufms #ufms #invertebrados #invertebrates #animais #animaisfofos #pequenosanimais #brazilianmusic #MPB

Videoclipe REVISITANDO O CHACO - Intérprete: Joice Terra

 (Clique na imagem para assistir)


Do álbum 

Joice Terra e Elouise Miranda Cantam Poesia In_vertebral 


Poemas de Sidnei Olivio e Paulo Robson de Souza (do eBook Poesia INvertebral). 

Direção musical: Mestre Galvão 

(Clique na imagem para ouvir pelo Spotify)




#musicabrasileira #musicaautoral #musicaboa #joiceterra #elouisemiranda #sidneiolivio #infantil #ensinodebiologia #ensinodeciências #inbioufms #ufms #invertebrados #invertebrates #animais #animaisfofos #pequenosanimais #brazilianmusic #MPB



domingo, 31 de janeiro de 2021

ANTES QUE EU ESQUEÇA: PIABANHA

 


Piabanha é um peixe da família do lambari, só que pouco maior, pelo que me lembro da minha infância. Também é nome de um pequeno rio, tributário da margem direita do Pardo; provavelmente, o nome original seria Rio das Piabanhas, mas o desgaste do uso deve ter feito desaparecer o tão explicativo artigo. Desse riozinho se originou o nome da fazenda do meu avô materno Saturnino, localizada entre Itambé e Itapetinga, sudoeste da Bahia.

Vivi na Piabanha de agosto de 1961 a 66 ou 67, ou seja, quase toda a primeira infância, já que minha mãe fora a Vitória da Conquista praticamente para o meu nascimento, e não sei por quanto tempo morei na casa da minha avó materna em Itapetinga, talvez apenas um ano para frequentar o então denominado Jardim da Infância (agora me vem à lembrança a merendeira de plástico e, dentro dela, a garrafinha de “quissuco” vermelho, doce de doer, e a variedade de biscoitos de polvilho feitos pela vó Dila).

Se minha memória recente é mais fluida que óleo de freio, imagina recordar fatos passados há mais de 50 anos! Contudo, algumas lembranças desse lugar permanecem tão sólidas e incontestes dentro de mim – pode até ser que não sejam lá, assim, tão fiéis aos fatos; meras interpretações – que as transformei em cantigas e poemas pelos quais tenho o maior carinho.


PRS, 19.1.2018

(Da série Poesia Todo Dia!)


#PauloRobsonDeSouza #poesiabrasileira #poesiatododia #ocacuadopaulorobson


ANTES QUE EU ESQUEÇA: MONTANHA

 


Guardei um pedaço

De Montanha em mim

(A cidadezinha

– Era uma cidadezinha quando a senti –

A cidadezinha

Do norte capixaba).

 

Havia um circo troncho

Palhaços da melhor estirpe, calhambeque explodindo

Leões,

A trapezista

E a tristeza da partida pela estrada poeirenta

Do circo e do circense que nele morreu...

 

– 1969? Não me lembro bem: moramos nesse lugar ígneo entre 67 e 70 (sou de 61). Aliás, uma das poucas lembranças com fundo musical que tenho: “California Dreams” e o circo trilhando a estrada poeirenta para além do rio...

Carros eram lavados no rio. Caminhões também... Mais que a lembrança da imagem, me vem o forte cheiro de combustível boiando, arco-íris deitado nele (o rio)...

Havia um grande lajedo, nele escrito “Só cristo Salva” e “Casas Cazelli” (juro que não é merchandising!). Nessa casa havia tecidos chinfrins postos em ziguezague sob a marquise, mais enfeitando do que expondo a mercadoria.

Flashes que não me saem da memória, não sei porque, de tão insignificantes: a passagem de uma perua com quatro ou cinco japoneses de óculos, magros e altos indo ao lajedo instalar acho que uma antena (primeira vez que vi pessoas de origem asiática, só outra novidade me foi maior: ver o teco-teco logo após o pouso, que meus amigos diziam ser de papelão). O sangue de um advogado na areia da rua, morto pelo pai da minha colega de escola por causa de desavença de jogo de aposta, corrida de cavalo, algo assim – naquela tarde o sino da igreja soou como nunca e para sempre nos meus ouvidos, e senti pela primeira vez uma tristeza pela morte alheia que eu não sabia explicar... O vizinho cego por uma pedra (ao marretar paralelepípedos de granito) cantando hinos de louvor em um culto...

Outros instantes que nunca me esqueci: a menina morena, magrela e de testa larga (a apelidamos de Testa de Boi Gir, que malvadeza!), essa menina sendo levada à nossa escola pelo pai numa charrete muito bonita, cavalo castanho “esquipando” como quê na nossa rua. Minha mãe voltando tarde da noite da casa do vizinho que tinha televisão, encantada com a chegada do homem à Lua... As meninas da casa da frente ‒ Gilca, Milca, Ilca e mais duas cujos nomes me esqueci, todas atingidas por essa decisão patriarcal de nominar ‒ brincando de “drama” (teatrinho) com minha irmã Márcia na nossa garagem. Minha coleção de maços de cigarro (cheirinho bom!) escondida sob a geladeira a querosene que sustentava um rádio cantando “90 milhões em ação” depois de a população largar a TV da praça em festa, após o Brasil 4 x 1 Itália; a bomba de 500 sendo estourada por um torcedor (tinha esse nome porque era a mais cara de então; só os adultos podiam comprá-la, de tão perigosa).

Do amigo cabeludo e de olhos verdes do meu tio Britto cagando no buraco errado após uma bebedeira – o bidê que eu tanto brincava de alguma coisa com seu chuveirinho ao contrário –, disso eu também não me esqueço. Nem da menina Alba Valéria que morava na casa ao lado e seu irmão Alvinho que, pura malvadeza, o apelidamos de Bufa Torta porque passou a mancar após pisar num caco de vidro. Nem da espinha madura (que eu morria de vontade de espremer) na face da minha querida professorinha Irmã Paulina, nem das músicas que entoávamos em fila no pátio do Colégio Sagrado Coração, sob o olhar cuidadoso da diretora, uma madre de óculos intimidadores cujo nome esqueci: “Desperta no bosque / Gentil primavera / O ar está perfumado / Com flores de manacá / Trá-lá-lá-lá-la Lá-la...”, ou ainda “No Inverno a cigarrinha / Deixou então de cantar / Procurou a formiguinha / Para a sua fome lhe mataaaar”.

Em Montanha desse tempo dormiam cinco a dez toras de madeira no fim da nossa rua, talvez abandonadas por alguma serraria. Nelas moravam as “batixós” (como chamávamos as lagartixas), que vez em quando eram vítimas do nosso “bodoque” feito de câmara-de-ar da melhor qualidade, a tal borracha que não se cansava. O meu irmão Jairo e o inseparável primo Ciro eram os campeões na caçada aos pobres bichinhos que, junto a calangos e algumas rolinhas, proporcionavam-nos deliciosas fritadas, assim como os tizius que fazíamos se espatifarem no muro branco da garagem de ônibus após afugentá-los.

Havia na porta de casa um fícus indiano cercado por quatro tábuas que eram bancos – lembrei-me agora. No quintal, um pé de maçã muito esguio, crescendo no centro de um caqueiro (termo baiano para o recipiente de barro usado para evitar formigas, como se um fosso) e que se recusava a frutificar. E um porco duroc que, de tão grande, meu pai se equilibrava de pé no seu dorso, para se exibir. Havia um viveiro onde eu dava leite aos filhotes de tatu-galinha e cuidava de um coelho alaranjado e da galinha rhodes que Sinhô Mascate me dera. Num canto havia bananeiras onde eu e meus irmãos ficamos seminus, lambuzados de BHC com banha-de-porco, um disparatado tratamento para sarna da época que deve, sim, ter-me deixado sequelas. Em frente à cozinha havia uma espécie de galpão revestido de cimento queimado onde escorregávamos no dia da lavagem, usando para isso água retirada de um poço com bomba manual.

De fato, o ponto de vista é único, intransferível: são dos meus olhos e, certamente, de nenhuma das outras crianças que éramos, a imagem que ficou de uma tarde típica de verão, sol seguido de chuva – casamento da viúva – em que encontramos gatinhos recém-nascidos em uma carcaça de carro abandonada perto do cinema. E é só minha essa lembrança, porque foi em mim que doeu: a matinê que não houve, porque minha mãe não deixou que uma prima grande e de cabelos bicolores me levasse ao cinema – certamente por falta de dinheiro – e eu chorei muito... Como chorei no dia em que meu primo Carlos me sentou sobre a chapa quente do fogão de lenha...

Dessa época não há fotografias, porque a novidade era o tal monóculo que o tempo e os fungos logo se incumbiram de pulverizar os pigmentos depositados sobre o acetato.

Agora vem minha mãe, janeiro de 2018, me dizer que passamos fome por causa do abandono do nosso pai – que foi cuidar de negócios em Linhares, é bem verdade; o pai que era ao mesmo tempo amoroso, devagar, trabalhador, divertido, bruto, sonhador, exigente, esquecido e aventureiro nos deixou nessa situação. Ela me conta da vizinha Dona Regina (de Seu Manoel, segundo me disse) que nos trouxe comida por cima do muro, uma vergonha para quem tivera fazenda no sudoeste da Bahia e uma infância de fartura – própria de quem tem chuva e terra para cultivar. Da grande dívida numa vendinha que funcionava numa espécie de quiosque lá para as bandas do bairro Fundão cujas paredes e as próprias rodas eram de madeira, isto eu me lembro. Mas a história da comida por cima do muro me doeu fundo, doutor.

PRS, 18.1.2018

(Da série Poesia Todo Dia!)


#PauloRobsonDeSouza #poesiabrasileira #poesiatododia #ocacuadopaulorobson  #Montanha #MontanhaES

MINHA AMIGA MOÍDA

 


Ela veio se sentindo um bagaço de cana daqueles passados três vezes na máquina. Remoeu suas fibras diante de mim; contou-me tudo sobre as tais dores d’alma que – deduzi – lhe comprometem o baço e o pâncreas.

Desse entregar os ombros à anamnese alheia, descobri que o desabafo é, também, uma reanálise dos fatos pela ótica do narrador. O fato é que, por fim, o sorriso lhe brotou entre os dentes de um jeito que eu nunca vira.



PRS 18.1.2018
(Da série Poesia Todo Dia)



#PauloRobsonDeSouza #poesiabrasileira #poesiatododia #ocacuadopaulorobson 

O CAÇADOR DE PALAVRAS

 


Ontem li A Rosa do Povo. Um Drummond inteiro. Num fôlego a falta de ar é mais intensa que suspiros em bolhas de ar.

Agora em mim um leiteiro baleado existe; uma flor improvável rebrota do asfalto; um vestido e duas mulheres tristes coexistem; a ruazinha de Itabira (ainda) se dá para o mundo...


PRS, 9.1.18, Porto Seguro 

(Da série Poesia Todo Dia)


(Arte sobre foto PRS)



#PauloRobsonDeSouza #poesiabrasileira #poesiatododia #ocacuadopaulorobson #Drummond 

O FUTURO NO PRETÉRITO

 



O espelho ao avesso

É janela para o futuro.

Vejo-me daqui 30 anos.

E o que vejo é insano: não há planos

Nem desejo.

Vejo o medo da inquietude.

Do não discernir, não decidir...

Livre arbítrio é termo bonito

Nos livros.

Para quem

Nada mais tem

De tempo

De axônio

E peptoglicanos

É só um termo bonito: arbítrio.


6.1.18  (Da série Poesia Todo Dia)



(Arte sobre foto PRS)



#PauloRobsonDeSouza #poesiabrasileira #poesiatododia #filosofices


sábado, 24 de outubro de 2020

ACADÊMICOS UNIDOS DO RIO (Samba da Piranha)

 

Autores: 
Marco Antonio Carstens Mendonça / Paulo Robson de Souza 

Intérprete: Áttila Gomes



(Clique na imagem para assistir ao videoclipe)





(Clique aqui para acesso à letra)

(Spotify: clique aqui)