domingo, 22 de janeiro de 2012

TAO QUAL


Beber da fonte a dádiva da vida,
sentir o gosto forte, o sal da história
e se fartar de coisas esquecidas...
Tornar à estrada o rumo, à estrela à glória.

Sorver as ondas quentes, exaladas
dos que mamam e voam, comovidos,
e perceber, no fogo, uma morada.
Soprar a brasa – tempo adormecido.

Conter o cheiro, ter o sal da terra
e perceber-lhe parte do ser vivo,
que o solo é vivo, e a vida nele encerra.
Sentir que a terra é o tempo carcomido.

Respirar... Ser... Cantar, viver arfante,
se apropriar do ar, da fácil rima.
(Descomprimido, é o ar matéria errante
e princípio e fim. É matéria-prima.)

Se ver madeira, o último elemento
tragando a água e a terra, ao seu sustento.
Cheirar o vivo hálito, constrito.
Viver morrendo – fogo –. Ao pó restrito.

(2005)

 

2 comentários:

  1. Respirei fundo e me inspirei nesse poema cheio de vida...parabéns Paulo!! não conhecia esse dom ainda!..vou estar sempre lendo seus poemas, já salvei nos favoritos! rs Obrigada pelo convite! um grande abraço!! =D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Karen, grato pela consideração ao poema, um dos que mais gosto -- não propriamente pelo poema em si, mas pelos ensinamentos do Taoismo, alguns deles pretensamente colocados no texto.

      Reparou que a foto é do Lago do Amor? A fiz do alto do trampolim, num dia com tanto sol que o efeito contraluz deixou parecer que a foto é preto-e-branco (mas não é).

      Grato pela atenção!

      Excluir