quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

CHOROS NA PRAÇA

(Galvão/Paulo Robson de Souza)


Intérprete: Áttila Gomes



(CLIQUE NA IMAGEM PARA OUVIR)




É duro ver todo esse choro pelas praças:
A namorada chora o amor que terminou
O velho ipê vê os seus braços amputados 
E o coreto abandonado
Clama um tempo que passou.

Um chora as contas por pagar nessa dureza...
Uma mulher pranteia o filho que se foi
Tem, inclusive, o fazendeiro muito rico
Que nem sabe o que é penico
Mas chora a baixa do boi...

O pipoqueiro chora o milho derramado
E o pardal com frio e fome quer Piaf...
E o baiano com saudade da Bahia 
Ao comer comida “fria” 
Diz: Virgimaria! Aff!

O olho-gordo quer morrer pela vergonha
De ter caído na conversa do golpista...
A mulher triste chora por sua tristeza
Chora a pomba à impureza
E o cão, a perda das vistas...

                Com tanto choro pelas praças, venha, Música!
                Oh! Deusa Música com seu dom de tocar
                Os corações, trazendo a todos a esperança
                Nem que seja por um dia
                Pra que parem de chorar...

                Com este choro que não é choro de tristeza, não!
                A esperança nesta praça semear
                Onde há esperança brotarão muitos sorrisos:
                Nós tocamos com alegria
                Pra a alegria germinar...


Piano: Marcopolo Cerzósimo
Violão: Galvão
Clarinete: Matheus Coelho
Percussão: Áttila Gomes

Nenhum comentário:

Postar um comentário